O PMO – Escritório de projetos – vai fazer a diferença nos próximos anos

Na semana passada participei do 5º Congresso Brasileiro de Gerenciamento de Projetos do PMI, em Brasília. E o assunto, claro, foi a bola da vez, o PMO, ou escritório de projetos.

Todas as tendências apontam para uma necessidade premente e urgente de melhoria da gestão no Brasil, e aumento do índice de sucesso em projetos.

A copa e as olimpíadas vem aí, e os desafios são muito grandes, mesmo nas perspectivas mais otimistas.

Não podemos negar que temos um déficit muito grande de gestores realmente capacitados para o nível de mudança requerido, e que o crescimento econômico só tende a agravar este quadro.

O que fazer? Desenvolver com urgência as habilidades de gerenciamento da estratégia, de processos e de projetos dos nossos gestores.

Soluções? Temos sim, e uma delas é a implantação de um ou mais PMOs nas organizações. O PMO pode atuar como um indutor na melhoria da gestão das organizações, por meio da capacitação dos gestores e da assessoria e apoio aos projetos e processos.

Modelos pra isto? Não, eles não existem, segundo o professor Brian Hobbs, talvez o maior especialista no assunto a nível mundial.

Mas o nosso Américo Pinto, do PMI Rio, que já havia mostrado em Nova Iorque o seu modelo de maturidade Maturity Cube, e este mês o publicou na revista Mundo Project, nos mostra um caminho mais curto e mais simples para a implantação de PMO.

Na visão do Américo, o cruzamento do escopo de influência (do nível de um projeto até o nível corporativo) com a abordagem de atuação (do operacional ao estratégico), define as inúmeras possibilidades de combinações possíveis para o seu escritório de projetos.

A identificação precisa do escopo do PMO para a sua organização vai ajudar muito na sua missão de primeiro apoiar a função de gerenciamento de projetos visando a sua evolução, para depois gerenciar portfólios e garantir o alinhamento estratégico das iniciativas da organização.

A definição mais precisa do escopo do PMO usando o maturity cube do Americo sem dúvida vai encurtar a curva de aprendizagem da gestão de projetos na organização, e garantir melhores resultados num curto espaço de tempo, justificando assim a sua existência da melhor maneira possível, a agregação de valor.

Veja mais em http://www.pmomaturitycube.org/pmocube/index.php/homeController

Ingredientes para o Sucesso – 10 tópicos essenciais para o êxito nas corporações

*por Tom Coelho, em www.tomcoelho.com.br

Futuro é o período de tempo em que nossos negócios prosperam, nossos amigos são verdadeiros e nossa felicidade está garantida.” (Ambrose Bierce)

Enquanto consultor, tenho tido a oportunidade de conhecer e estudar a realidade de empresas diversas, seja no porte ou na atividade econômica, concluindo que invariavelmente a distância entre o sucesso e o fracasso é mensurada pela qualidade da gestão. Desta experiência, posso afirmar que o êxito no mundo corporativo passa necessariamente pelos quesitos abaixo relacionados. Leia mais

Seja simples na sua comunicação

por Claudio Quartaroli, em http://quartaroli.wordpress.com/2010/10/07/seja-simples-na-sua-comunicacao/

Um dos males comunicacionais que mais assolam os locais de labor cotidiano é a falácia da expressão culta e estéticamente elegante que contribui para o impedimento da cognição ao favorecer o não entendimento interpretativo humano. Leia mais

Gerência: Fatores Críticos de Sucesso

em http://www.oficinadanet.com.br

Pode-se chamar de bem-sucedido aquele projeto que foi desenvolvido dentro das expectativas de tempo, custo e qualidade, além de o cliente ter ficado satisfeito e o moral da equipe ter se mantido alto. Durante o ciclo de vida de um projeto o gerente e seus assessores se envolvem com a confecção e execução de planos, com o gerenciamento de pessoas e com o gerenciamento da qualidade do produto e do serviço em desenvolvimento. É adequado perguntar : quais são os principais fatores que podem levar um projeto ao sucesso? Leia mais

Fatores críticos de sucesso na Educação a Distância

em educapontonet

O ensino a distância pode ser considerada uma das grandes inovações quando o assunto é educação, além de representar uma grande oportunidade ou uma grande ameaça as instituições que não acompanham ou que oferecem um conteúdo de baixa qualidade. Pensando nisso e preocupado com a continuação dos cursos, Maurício Gregianin Testa identificou seis fatores críticos de sucesso que se caracterizam como o problema chave nas organizações e segundo ele esses fatores devem ser acompanhados com cuidadosa atenção. Leia mais

ExpoManagement 2010: Dê um basta ao velho pensamento sobre liderança

em www.hsm.com.br

Célia Ferraz, palestrante da ExpoManagement 2010, trata a questão da liderança com um viés de convencimento e sedução para a mudança. Saiba mais!

Os estudos sobre liderança abordam o tema por meio de diferentes perspectivas. Max Weber defende o tema atrelado a carisma. Fiedler trata a concepção da liderança como um exercício da posse e do poder. Agora, o que líderes e estudiosos pretendem discutir na ExpoManagement 2010 com a palestrante Célia Marcondes Ferraz, coordenadora do Núcleo de Gestão Estratégica de Pessoas da ESPM, é uma visão moderna da liderança e suas perspectivas no cenário brasileiro. Leia mais

Seus clientes são rentáveis?

em www.hsm.com.br

Falando dos impactos que uma crise financeira traz para os negócios e como tirar proveito de uma fase turbulenta, Robert Kaplan, professor da Harvard Business School e criador do Balanced Scorecard (BSC), ferramenta estratégica para gestão do desempenho, iniciou sua palestra no Seminário HSM, no dia 7 de outubro. “Sempre gosto de voltar ao Brasil e atualizar os conceitos mais atuais de BSC que desenvolvemos em Harvard. Quero compartilhar conceitos desenvolvidos e aplicados por grandes corporações do hall da fama do BSC”, afirma. Leia mais

Seis etapas para um BSC estratégico

em www.hsm.com.br

A Excelência na execução é um dos pontos que mais tira o sono dos gestores, segundo a lista das cinco maiores preocupações dos executivos da The Conference Board, com 42,3%. Em segundo lugar da lista vem a Execução consistente com estratégia da alta gerência (39,9%); em terceiro o Crescimento constante e contínuo do faturamento (38,8%); em quarto lugar a Lealdade/retenção de clientes (33,5%) e em quinto a Rapidez, flexibilidade, adaptabilidade a mudanças (29%). Leia mais

Treinamento: investimento no futuro ou desperdício de tempo e dinheiro?

em http://criatividadeaplicada.com/

“O capital humano é o bem mais precioso de uma organização”. Você já deve ter topado com esta frase uma centena de vezes em palestras, reuniões, livros, revistas, blogs, etc. Não há discordância com relação ao fato de que pessoas motivadas, engajadas e competentes são essenciais para o sucesso do negócio. No entanto, com raras exceções, existe uma grande distância entre este discurso e a realidade encontrada nas empresas. As políticas de pessoal, as práticas gerenciais e os programas de desenvolvimento estão muito aquém do que se espera, e o que se faz é, geralmente, contraditório, desconexo e desprovido de uma orientação estratégica. Leia mais

Recompensar o sucesso para não premiar o fracasso

por João Alfredo Biscaia, em www.institutomvc.com.br

Esta pergunta consta de um livro escrito por Peter Drucker há mais de 30 anos. Sem dúvida, trata-se de um intelectual que sempre oferecer idéias e questionamentos importantíssimos aos profissionais interessados em melhor contribuir para a eficacia das suas organizações. Leia mais